› Home  › Notícias  › Notícia

Leishmaniose matou mais que a dengue em 2010, mas é subestimada em MG

22/06/2011

Flávia Ayer

A leishmaniose visceral matou mais que a dengue em Belo Horizonte, no ano passado, e transformou a capital mineira em território de alto risco. No interior de Minas, a situação também é grave e, de acordo com dados preliminares do Ministério da Saúde (MS), o estado é o segundo com o maior número de casos da doença em 2010, atrás apenas do Ceará. Frente à grave situação instalada, uma caravana, em viagem por todo Brasil, estacionou em BH para, por meio de uma ferramenta lúdica, tentar combater uma doença com a qual não se brinca. O mosquito flebótomo, transmissor do mal, é o vilão da peça teatral O fim da picada, em cartaz até hoje no Parque das Mangabeiras, na Região Centro-Sul da capital.

Voltado para estudantes de 4 a 14 anos, o evento gratuito é promovido pelo laboratório veterinário Intervet/Schering-Plough e mostra como atacar de frente a doença que contamina gente de todas as idades. Apenas de 2009 para cá, foram 1.232 vítimas da leishmaniose em Minas, sendo que 132 morreram, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES). Belo Horizonte concentrou, neste mesmo período, 22,8%, o equivalente a 282 casos, e 41% dos óbitos, num total de 55 vítimas, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA). Para se ter idéia da letalidade da doença, a dengue, alvo de forte ação de governo, contaminou 51.755 e matou 15 pessoas em 2010 na capital; enquanto, a leishmaniose fez, ano passado, 131 vítimas e ceifou 22 vidas em BH.

De acordo com o coordenador da caravana contra a doença, o farmacêutico Marco Antônio de Castro, apesar de grave, a leishmaniose é negligenciada pelo governo. “Ela é a segunda doença que mais mata no mundo, ficando atrás somente da malária. Em Minas Gerais, a situação é gravíssima, por isso, o esforço de mobilização. Aqui a doença é endêmica, está instalada, mas tem muita gente que nem conhece a leishmaniose”, alerta. Apenas este ano, segundo a SES, Minas registrou 12 confirmações e um óbito pela doença. Em BH, são três casos de contaminação e nenhuma morte, por enquanto.

Saiba mais...
Quatro municípios de Minas vivem um surto de leishmaniose em humanos Número de mortes por leishmaniose em 2010 já é igual ao da dengue Ação questiona eutanásia de cães com leishmaniose Minas investiga seis mortes por dengue hemorrágica Casos de dengue em MG recuam 66%, mas estado ainda tem alta incidência da doença
A leishmaniose visceral é uma doença transmitida pelo flebótomo, conhecido popularmente como mosquito-palha ou birigui. O cão ocupa posto importante no ciclo da doença: uma vez picado pelo vetor, apesar de não contaminar diretamente o homem, torna-se um dos principais reservatórios do protozoário. O mal é silencioso e pode levar anos até que os sintomas apareçam. Nos cães, os indícios são lesões na pele, falta de apetite, crescimento exagerado das unhas, entre outros. No homem, o parasita atinge as células de defesa do organismo. Com isso, a doença traz como sintomas febre, emagrecimento, apatia, palidez, além do aumento do volume do fígado e do baço.

SEM CURA

O farmacêutico alerta que a leishmaniose não tem cura, mas tratamento e, por isso, a maior arma contra a doença é a prevenção. Segundo ele, é importante manter quintais limpos, evitar acúmulo de lixo, além de levar periodicamente os cães ao veterinário. Ele também recomenda o uso da coleira inseticida e repelente, que mata imediatamente o flebótomo. A coleira está sob avaliação do Ministério da Saúde (MS), que estuda a distribuição gratuita do material em cidades com alta incidência da doença. De acordo com o MS, o órgão encomendou pesquisa para este ano com objetivo de averiguar o uso de colares com o inseticida deltametrina em cães.

A estudante do Sesi Núcleo Antônio da Silva Pereira, Alice Abreu, de 6 anos, sabe muito bem os efeitos trágicos da leishmaniose. Marley, Barão e JJ, cachorros da garota, foram sacrificados por estarem infectados pelo parasita. “Eu até chorei. Tiveram que passar um remédio na minha casa. Mas, sábado, ganhei outro cachorrinho, a Otis. Desta vez, vou cuidar direitinho e ela não vai morrer. Ela vai receber três vacinas”, afirma Alice, atenta ao teatro. Já o estudante da Escola Municipal Levindo Coelho Igor Henrique Cerqueira, de 14, conhecia pouco da doença e pôde se informar sobre o assunto. “Sabia de cachorros, mas não de homens com a leishmaniose”, surpreendeu-se.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que faz cerca de 18 mil exames em cães por mês. O órgão ainda afirma que o tratamento em humanos terá nova ferramenta: as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) passarão a contar com o exame ultrarrápido para leishmaniose, que mostra o resultado imediatamente.

FONTE: JORNAL ESTADO DE MINAS - SITE UAI

Gabinete: Av. dos Andradas, 3100 - Sala A-301 - Santa Efigênia-BH Telefone: (31) 3555-1178. E-mail: ronaldogontijovereador@gmail.com